Comprimidos

Leia a bula.

Ao persistirem os sintomas, procure um médico que saiba responder algo além de "deve ser amor".
Que coisa doentia.

quinta-feira, novembro 03, 2011

Conjunções encadernadas.

Foram meses de nada, e aconteceu simplesmente tudo. Menos o que eu mais gostava de fazer. Inspiração abandonou, falei que ia ter bolo, nem assim quis ficar. Sei lá, devia estar de saco cheio de mim. Todo mundo fica uma hora.
Achei um bloco na gaveta, daqueles que a gente guarda no bolso, na bolsa e no tedio das tardes nem bonitinhas nem feinhas.
Botei nele frases que se encaixam, mesmo quando não fazem sentido. Tudo assindético. Sintática, morfica, semantica e sensivelmente.
Lá vem elas... Sem aspas, porque não cabe mais nada que não as próprias.

~

Ninguém dá bom dia pra noite. Logo ela, que acorda junto e faz café. Se fossemos menos ingratos até levaria na cama, aposto.
Abro numa página qualquer e leio. Se não entendo, mudo de página. Reler é coisa de gente repetitiva. Então eu abro numa página qualquer e leio.
A verdade é falsa, mas só porque tem muitas caras.
Como é que deve ser não existir?
De toda importância da conversa, o que mais se nota é a companhia.
Sinto falta de um defeito. De uma ironia fora de hora. De um humor negro do mais sujinho e bêbado, podendo ser limpinho e sóbrio se eu gostar de quem o faz. De falta de senso, de dogma e vontade de se encaixar. Do exótico, do esquizofrênico e daqueles males que me fazem bem. Bem não por serem bons, mas porque exatamente me fazem.
Hoje eu acordei, pulei do abismo e dancei lá embaixo. Tango argentino, se quer saber.
Eu temo meus extremos porque os amo com toda intensidade.
- Eu te amo.
- Toma, leva minha bolsa. Mas não me machuca, por favor.
Adoro agulhas, odeio anestesia.
Gosto de gente funda. É bonito e dá vontade de mergulhar.
Eu sei nadar. Se não soubesse as amaria, justamente pra me afogar.
Pegar o bom e fazer dele ótimo por pura antropofagia.
Só o suficiente não basta.
Larguei as expectativas... Gosto de estar pronta, não demoro pra me arrumar.
Problemas na casa de fora, na de dentro nem ouso mais entrar.
Compartilhar problemas sempre me pareceu egoísta, apesar de ser um verbo naturalmente solidário.
Quero carinho. E não leve pro diminutivo só pela palavra. Preciso de mais.
Esquece o que falei da casa, virei minha luneta pra dentro.
To me enxergando melhor.
A mesma coisa de sempre é algo muito relativo pra quem está esclerosado.
E entre duas coisas, escolho a que veio depois. A primeira só vale mesmo se a segunda não existir.
E não bebia nem deixava embebedar.
Sou um gasparzinho sólido.
Que tal ficar de ponta-cabeça pra começarmos a nos entender?
Se toda coincidência tende a que se entenda...
O que vale mais? Um pouco de tudo ou muito de nada?
A vida é meu Gargamel.
Esses dias de horas seculares que me demoram os nervos e hibernam meu piscar de olhos...
E àqueles que patinam na mediocridade, um brinde de taças vazias.
Quem me dera Sherazade ousasse se apropriar de mim.
E dentre os meus três lados, o melhor símile é o fundo.
No meio do caminho tinha uma pedra. Não desvio, seja por coragem ou falta de bons reflexos. Tinha uma pedra no meio do caminho. Me empurram, tropeço e só faço rir de mim. No meio do caminho tinha uma pedra e foi ela que me lapidou assim.
O melhor conselho que tenho sido capaz de dar ultimamente é que não ouçam os meus.
Freud explica e eu não entendo nada.
Travesseiros macios de peito de mãe.
Te dei todo o tempo do mundo e agora você quer o meu?
Tem gente que acha que eu não sei e nem sabe...
Mal te conheço e você já ta me sufocando.
Mas o sufoco sou eu.
O desconhecido também.
Alô?
Quem fala?
Tu, tu, tu, tu.
Mania de monólogos.
Já chega. Menos papo e mais cafuné.

3 comentários:

usstamps disse...

greetings from usa!
you have a great blog.
you are welcomed to visit me
http://blog.sina.com.cn/usstamps
thank you.

Brena disse...

Não sei exatamente o que há no seus textos, mas eles me atraiam ao extremo. É como que eles me viciassem.

Posso chamá-los de "droga"?

Brena disse...

Queria tanto que você postasse as outras partes do Conto da garota Cíntia!

Claro que eu não sei o motivo por você não ter postado, mas eu realmente criei um gosto inexplicável por ele.

Gosto do seu tipo de literatura. E particularmente pra mim, é tão difícil de encontrar textos assim.