Comprimidos

Leia a bula.

Ao persistirem os sintomas, procure um médico que saiba responder algo além de "deve ser amor".
Que coisa doentia.

quinta-feira, julho 29, 2010

No escuro...

As luzes se apagaram e os sentidos ferviam intimamente. Ele sorria na escuridão; ela tinha medo. Qualquer toque seria uma descarga energética no corpo juvenil da menina. Ele estava preparado, era experiente. A mãe dela, superprotetora, nunca deixou que a menina se arriscasse, mas dessa vez uma viagem interrompeu os cuidados. A curiosidade afogou o receio maternal e aqui estava ela, pronta pra embarcar numa nova situação. Mas as expectativas eram diferentes. Para ele seria apenas mais uma vez. Para ela, sentimentos envolvem o jogo. A liberdade.
Começou. Ele tateando a escuridão e a menina, acanhada, se sente enclausurada, quente e perdida.
Ele está chegando cada vez mais perto, o que permite que a jovem sinta o ar quente que sai dos lábios do rapaz, bem como o cheiro de menta que invade o quarto. Um breu perfumado, bêbado com o cheiro das carnes frescas.
Um deslize e ele a toca. O choque. Uma risada.




- Te peguei! Tá com você agora!

Um comentário:

Malú Azzoni disse...

Te achei na comunidade Escritores de Gaveta! Adorei seu blog :)
voltarei.

beijos