Comprimidos

Leia a bula.

Ao persistirem os sintomas, procure um médico que saiba responder algo além de "deve ser amor".
Que coisa doentia.

sábado, outubro 23, 2010

Sinopse.

Arranjei algo pra escrever.
Uma dor pra reclamar,
Um choro prontificado na datilografia.
E letrar que sempre foi meu gosto pros dias insossos
Passou a amargar.
Instigando meu tudo,
Provocando um vômito mental.
Projeto minhas cordas,
Vocais,
Banais,
Compradas pra te dizer toda minha sinceridade,
Mas delas nada sai.
Vai ver minha alma era a sua viola,
E com suas mãos de tamanho adequado
Tocavas meu intimo de modo descompassado.
E aqui estou eu,
Digitando o roteiro funesto da nossa história
Trilha sonora cheirando ao café da manhã, que dá as caras pelos cantos
Dizendo que nada mais quer ficar dentro de mim.
Especialmente você.

2 comentários:

Vinícius disse...

Estou retribuindo a visita. Obrigado pelo comentário. Estou atônito com este poema. Só o título já me atrai muito. Parabéns. Apareça sempre, "O príncipe" sente muita honra.
Abraço.
Vinícius Reis.

Bebedores do Gondufo disse...

Very good.